Notícias

Exposição Traço-Ponto. marca a retomada da carreira artística do arquiteto Paulo Gobbi

Que ele desenhava bem, não havia dúvidas. Os croquis elaborados pelo arquiteto e urbanista Paulo Gobbi, de Florianópolis (SC), sempre revelaram o talento do profissional para além do projeto arquitetônico. Poucos sabiam, no entanto, que das suas pranchetas também surgiam obras de arte. Na próxima semana, Paulo Gobbi inaugura a exposição Traço-Ponto., marcando a retomada de sua carreira artística, uma carreira que se anunciava desde sua infância, no Rio Grande do Sul, impulsionada na juventude, mas que deu lugar à técnica arquitetônica a partir da formação acadêmica. Há dois anos, ele decidiu ‘libertar’ seus instintos e retomar a prática do que tanto lhe dava prazer. Neste período, produziu mais de 100 obras, todas em bico de pena, com traços e pontos, sua característica marcante.

Na exposição Traço-Ponto., Paulo Gobbi apresentará desenhos criados a partir do pontilhismo, apresentando e conectando elementos da natureza e figuras humanas, revelando o seu olhar sobre o homem, o urbano e a natureza. Temas como destruição, replantio, florescimento, movimento e vida são explorados pelo artista. A exposição será realizada de 4 a 30 de maio, das 9h às 19h,  no Espaço Cultural BRDE, localizado na av. Hercílio Luz, 617, no centro da capital catarinense. A abertura será no dia 3 de maio, às 19h.

“Já tive alguns ciclos. Desde criancinha, com sete ou oito anos, já pintava, desenhava, e era sempre incentivado pelos meus pais e até participava de concurso na escola”, conta Paulo, referindo-se ao período escolar, entre 1960 e 1970, em Erechim (RS), sua cidade natal.  Sua primeira e mais importante exposição foi realizada na Galeria Eucatexpo, na Av. Independência, em Porto Alegre, em 1978, um ano antes de concluir a graduação em Arquitetura pela Universidade do Vale do Rio Dos Sinos (Unisinos), em São Leopoldo (RS). “Depois, deu aquele branco total e nunca mais participei de eventos. Concentrei toda a minha força de desenho na arquitetura”, detalha.

Veia artística

Paulo Gobbi é professor concursado de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e sócio-proprietário do escritório Gobbi Arquitetos Associados, com sede na capital catarinense. Agora, prestes a completar 40 anos de formação em Arquitetura, ele retoma a carreira artística, empolgado com o que esse universo apresenta. “Estou me soltando um pouco da arquitetura. Comecei a fazer essa produção e, pelo visto, não vou parar mais”, diverte-se.

O arquiteto conta com o apoio total – e o incentivo – de sua família. Afinal, a esposa, a arquiteta Maria Lúcia Mendes Gobbi é também artista plástica, e as filhas, Priscila, formada em design gráfico, e Bruna, publicitária, mantém um pequeno estúdio criativo onde produzem produtos artesanais feitos por elas. “Todas sempre viveram em torno do desenho, do recorte, da pintura, da música. Então, temos esse envolvimento artístico muito forte. A arte, para nós, está no sangue. Às vezes, dá até vontade de seguir uma carreira assim”, confessa. A liberdade artística é o que mais o atrai. “Percebo que o artista é um ser mais livre; não está preso a nenhuma crença, nenhum conceito, nenhum preconceito social, nada; é um ser totalmente livre. Claro que tem a crítica, e sempre vai ter, mas essa liberdade é única. A gente se sente sempre assim, voando, em tempo integral”, conceitua.

A liberdade está expressa em suas produções. “Sempre trouxe um pouco da ave, dos pássaros, no sentido dessa liberdade que a gente, pelo menos, tem a impressão que eles têm, pelo voo que fazem”, explica. Paulo também retrata o corpo humano, mas um corpo desenhado rusticamente, revelando, muitas vezes, somente uma parte, um ângulo. “Eu exploro muito isso, como se fosse o nascimento da terra: o ser vem, como se fosse uma minhoca, e vai se transformando num bicho, numa ave, e depois vira esse homem que a gente é”, afirma. Os elementos da natureza igualmente são marcantes em suas obras. Inclusive, épocas atrás, Paulo costumava incluir folhas secas como matéria-prima de sua arte, prensando-as na moldura. “Atualmente, eu já estou secando algumas folhas…”, adianta.

 

Imagens: Divulgação