Projetos

Arquitetos apresentam o projeto do open shopping em construção no Sul da Ilha de Santa Catarina

Por setembro 28, 2017 Sem comentários

 

Localizado no bairro Rio Tavares, em Florianópolis, o MULTI Open Shopping + Offices está sendo erguido na rodovia Dr. Antonio Luiz Moura Gonzaga, 3333, de acordo com as novas estratégias do Plano Diretor do município, entre os eixos principais do bairro: a SC-406, a Avenida Pequeno Príncipe e a SC-405, que foram destinadas para as construções comerciais. A inauguração está programada para ainda este ano.

O empreendimento reunirá opções de gastronomia, cultura, lazer e serviços. Idealizado por empreendedores que moram na região, o shopping contará com cerca de 30 lojas no térreo; uma sala de cinema com 98 lugares; 150 offices, no segundo e no terceiro andares; e um Centro de Convenções no terraço, com vista privilegiada da praia do Novo Campeche, totalizando 16.500 metros quadrados de área construída. Atendendo às exigências legais, o empreendimento conta com Estação de Tratamento de Efluentes e sistema de captação e aproveitamento das águas pluviais, com capacidade para armazenar 11 mil litros de água da chuva. Há previsão, ainda, de implantar um plano de gerenciamento e destinação adequada dos resíduos sólidos gerados na operação do shopping. “Nesse plano, vamos detectar quais são os resíduos gerados e vamos buscar as melhores estratégias de acondicionamento e destinação, incluindo cooperativas de reciclagens e empresas de compostagem de resíduos orgânicos”, explica Guilherme Oliveira, engenheiro responsável pelas obras.

O projeto arquitetônico do MULTI é assinado pelos arquitetos Robson Nascimento e Sergio Müller, do Escritório Robson Nascimento Arquitetos. O projeto das áreas comuns é da arquiteta paisagista Juliana Castro. Na entrevista abaixo, os arquitetos Robson e Sergio comentam como foi a idealização e a construção do projeto do MULTI.

Como surgiu a ideia para o projeto do empreendimento?

Arquitetos – O Campeche é um dos bairros que mais cresceu nos últimos anos, devido a um “boom imobiliário” de Florianópolis. É vital para os bairros que estão se desenvolvendo que haja um mínimo de infraestrutura urbana e certa centralidade de comércio e serviços, facilitando a autonomia do bairro e reduzindo o fluxo de mobilidade nas grandes cidades.

O MULTI nasceu de um entendimento comum de que era importante existir um empreendimento que pudesse somar a qualidade bairro, tendo em vista esse crescimento populacional. A tipologia definida de escritórios e lojas em um só lugar vai ao encontro dessa visão de independência do bairro, a qual o morador da região poderá trabalhar e/ou satisfazer suas necessidades de consumo em sua proximidade, sem precisar se deslocar ao centro da cidade.

Quais pontos foram levados em conta no planejamento?

Arquitetos – Um dos principais pontos levado em conta para a implantação do empreendimento foi o acesso pela Rodovia SC-406, juntamente com a localização do terreno em relação ao bairro. Este local é um perfeito ponto estratégico, pois é possível atender tanto as necessidades dos habitantes do Campeche assim como os moradores da Lagoa da Conceição.

Como foi o processo de desenvolvimento do projeto?

Arquitetos – O processo de criação do projeto foi orientado, primeiramente, pela definição do briefing inicial básico, que era diversas lojas no térreo e escritório nos superiores. Para a arquitetura, a implantação predial era muito importante para esse tipo de empreendimento. Nossos desafios eram resolver a questão dessa interação de salas e lojas, de forma que essas não prejudicassem umas as outras. Com isso, veio a proposta de implantação em três torres que se integram totalmente pelo pavimento térreo, dispostas em duas torres paralelas e uma perpendicular. A torre frontal à SC-406, com o seu grande Hall de entrada em pé-direito duplo, recebe o visitante e lhe proporciona a visão total do boulevard de pedestres e dos demais blocos, sendo um convite a visitá-los. Todas as torres também são conectadas pelo subsolo onde estão as garagens.

Como foi criada a ligação entre lojas e offices?

Arquitetos – A coexistência dos Offices com as Lojas é bem harmoniosa, pois estes se completam de diversas formas. Mesmo assim, os acessos podem ser independentes através do subsolo e ao mesmo tempo com total conexão pelo térreo, onde há o convívio comum. O programa definido na implantação geral, principalmente no térreo, dá uma excelente sensação de integração e geram harmonia e certa sustentabilidade entre os dois seguimentos. Neste caso, as lojas se beneficiam dos consumidores existentes nos escritórios e estes por sua vez também da área de convívio comum, tanto para o seu “coffee break” ou seu até uma reunião informal no charmoso boulevard.

De que maneira a iluminação natural foi trabalhada no projeto?

Arquitetos – Nós privilegiamos a interação do público pelo pavimento térreo, e com isto nada mais justo que valorizar a iluminação natural. As três torres implantadas proporcionam uma ótima iluminação e ventilação natural. O afastamento entre as torres paralelas são bem maiores que os mínimos exigidos, justamente para que se pudesse haver uma harmonia visual entre as unidades. Cada uma delas possui visão privilegiada da praça central, e em determinados pontos com visão para o mar. O térreo tem o pé-direito máximo permitido, criando uma sensação de amplitude plena.

Leia também:

Espaços de convivência são valorizados em projeto de novo shopping

 

error: Para compartilhar esse conteúdo, use o link ou as ferramentas de compartilhamento do site da revista ÁREA e contribua para a valorização do jornalismo especializado.
X
X