fbpx
Notícias

Projeto social Morada Monte Serrat dá início às obras para reconstrução dos lares de famílias atingidas por incêndio

Por setembro 22, 2020 Sem comentários

Ação social integra comunidade, arquitetos, engenheiros e dezenas de voluntários e empresas parceiras que doam dinheiro, serviços e materiais para viabilizar as obras

 

Projetos aprovados, autorizações obtidas, mãos à obra! O Morada Monte Serrat deu início esta semana às obras para construção das casas de três famílias da comunidade Monte Serrat, em Florianópolis, que perderam suas moradias em decorrência de um incêndio, ocorrido no dia 27 de março deste ano. As famílias do Cleber, da Dona Leka e do Paulo foram abrigadas por parentes e amigos, também moradores da comunidade Monte Serrat, que integra o complexo do Morro da Cruz, uma das regiões de maior vulnerabilidade social da capital catarinense.

Logo após o trágico incêndio, uma forte corrente do bem foi formada, envolvendo dezenas de parceiros e voluntários. E assim nasceu o Morada Monte Serrat – um projeto que integra Centro de Pastoral e Espiritualidade Nsa. Sra. do Mont Serrat, Conselho Comunitário Monte Serrat, Instituto Pe. Vilson Groh (IVG), Movimento Traços Urbanos e Engenheiros sem Fronteiras – Núcleo Florianópolis.

A missão assumida: desenvolver os projetos de arquitetura e de engenharia de três casas, viabilizar a construção e acompanhar a execução das obras.

O projeto tem mobilizado inúmeras pessoas que estão comprometidas com a reconstrução dos lares dessas três famílias. De forma individual ou coletiva, essas pessoas contribuem voluntariamente da maneira que podem e com os recursos que dispõem: conhecimento técnico, tempo, dinheiro, materiais e muita solidariedade. “Esta integração, do além muro, que são o grupo de arquitetos junto com a nossa comunidade, nós queremos profundamente agradecer esse processo de trabalho e produzir um passo a mais que agora é a materialização e a concretização das casas”, afirma Padre Vilson Groh, empreendedor social e importante liderança local, morador da comunidade desde 1983.

Campanha de arrecadação de fundos

Uma campanha de arrecadação de fundos está sendo conduzida pelo Centro de Pastoral e Espiritualidade Nsa. Sra. do Mont Serrat para arrecadar recursos para a construção das casas. Até o dia 24 de agosto, R$ 29.900,00 já haviam sido arrecadados em doações de pessoas físicas e jurídicas. Além dos recursos financeiros, diversas empresas doaram serviços, como o de topografia, e materiais, como cerâmicas, esquadrias, materiais elétricos e hidráulicos, mobiliário para as cozinhas e tintas.

A meta, agora, é angariar outros R$ 30.000,00 para complementar os recursos já arrecadados e viabilizar a instalação do canteiro de obras e a execução das fundações e superestrutura das casas. As doações em dinheiro podem ser feitas diretamente na conta bancária do Centro de Pastoral ou por meio da plataforma Benfeitoria, que permite o pagamento via boleto e cartão de crédito. Os valores estão sendo auditados pelo Instituto Pe. Vilson Groh (IVG).

Todas as informações sobre o Morada Monte Serrat – projetos das casas, parceiros e voluntários envolvidos, etapas das obras e sobre as formas de apoio – estão divulgadas em um site criado por empresas parceiras e profissionais voluntários exclusivamente para o projeto: www.moradamonteserrat.com.br

No site também está publicado o vídeo produzido pela comunidade a partir da música composta por Cleberson da Rosa, morador de uma das casas destruídas, e pelo sambista Jeisson Dias, um dos apoiadores do projeto: “Depois das cinzas”. A inspiração para a composição veio da situação que eles estão enfrentando e do grande apoio que estão recebendo.

 

Uma iniciativa nascida em meio à urgência da solidariedade

Agilidade, segurança e conforto. Essas eram as prioridades do grupo Morada Monte Serrat para construção dos novos lares das famílias. Respeitando as medidas de segurança determinadas pelas autoridades de saúde, reuniões virtuais logo começaram a ser realizadas com os moradores e entre os voluntários para alinhamento das ações. Todo o trabalho vem sendo desenvolvido dentro das exigências da Prefeitura Municipal de Florianópolis e com equipe multidisciplinar, incluindo várias competências técnicas. Todos contribuindo de forma voluntária.

As novas casas

Para a reconstrução dos lares, três arquitetos e urbanistas assumiram o desenvolvimento dos projetos arquitetônicos de cada uma das casas de forma voluntária – Bernardo Bahia, Marcelo Eischstadt Nogueira e Matheus Pivetta – a partir do chamamento feito pelo Movimento Traços junto a profissionais da área. Eles trabalharam de forma integrada, já que as três casas estão localizadas no mesmo terreno e os moradores são todos da mesma família.
De forma ágil e comprometida, eles realizaram entrevistas com as famílias para identificação do programa de necessidades, fizeram levantamento no local e rapidamente seguiram para o anteprojeto.

No planejamento, os arquitetos incorporaram as diretrizes de sustentabilidade estabelecidas por consultores especializados voluntários, da Dux Arquitetura & Engenharia Bioclimática, considerando conforto ambiental, eficiência energética e no uso da água, materiais e componentes. “Trabalhamos com a área mínima confortável para garantir a qualidade necessária, e não dispendendo áreas maiores para não aumentar o custo de construção. Além disso, a ideia é trabalhar materiais mais simples e de fácil manutenção”, explica Marcelo.

Na definição dos projetos, os arquitetos respeitaram a dinâmica do cotidiano das famílias e a relação já estabelecida entre as casas. O pátio comum era algo importante, pois os encontros e reuniões com familiares e amigos e as rodas de samba são constantes. Outro ponto fundamental para as famílias: valorizar o privilegiado visual da cidade. Assim, foi criado um espaço de contemplação da paisagem comum a todos no terreno.

Bernardo faz questão de destacar o quanto esse projeto está sendo gratificante. “É um projeto que a gente faz para os clientes, mas, de certa forma, faz para a gente mesmo, e também para a cidade. É uma contribuição podemos dar num momento como esse para pessoas que não conhecíamos, mas que apresentaram essa importante necessidade”, afirma. Ele comemora que o grupo inteiro tenha abraçado a causa para ajudar e contribuir. “E contribuir com um comprometimento de alto nível. É um esforço conjunto que está sendo feito para que esse tipo de ação possa se desdobrar, crescer, tomar corpo e continuar acontecendo”, reforça.

A partir do engajamento da organização Engenheiros Sem Fronteiras – Núcleo Florianópolis, os projetos arquitetônicos foram compatibilizados com os de engenharia, complementares, desenvolvidos também de forma voluntária pela engenheira Carolina dos Santos Kuhn de Carvalho (projeto estrutural), pela engenheira Marina Catalan Costella (projeto hidrossanitário) e pelo engenheiro Reinaldo Favero Filho (projeto elétrico). O resultado foi um trabalho multidisciplinar, coletivo e eficiente.

Saiba como ajudar:

Doação de alimentos:
Marlete Reis de Souza – (48) 98479.2706

Doação em dinheiro:

Boleto ou cartão de crédito: via plataforma Benfeitoria
https://benfeitoria.com/moradamonteserrat2020

Depósito ou transferência bancária:
Caixa Econômica Federal
Agência: 1078
operação: 013 (poupança)
conta: 43199-0
Titular: Centro de Pastoral e Espiritualidade Nsa. Sra. do Mont Serrat
CNPJ: 13.238.291/0001-00
Importante: enviar o comprovante de depósito/transferência por WhatsApp ao tesoureiro, Rodrigo Cantos – (48) 9999.07880 – informando que se trata de doação para o projeto Morada Monte Serrat.

 

 

Leia também: 

Projeto voluntário mobiliza arquitetos, engenheiros e empresas do setor para a reconstrução de casas destruídas por incêndio em Florianópolis

 

X
X