Notícias

Projeto ‘Destemida Iara’ vence Prêmio Oxford de Design

Por outubro 11, 2018 Sem comentários

O projeto ‘Destemida Iara’, da pernambucana Jéssica Paiva de Andrade Santos, foi o grande vencedor da  4ª edição do Prêmio Oxford de Design. Ela criou um conjunto de aparelho de jantar inspirado na sereia, que encanta a todos com a sua beleza à beira-mar, atendendo ao tema proposto pela tradicional indústria catarinense para esta edição do concurso: “Folclore ao Redor do Mundo – O Encontro da Imaginação com a Arte”.

“Aquela que mora na água, a sereia que dança, a destemida Iara. Índia corajosa que leva consigo a força das águas. Aqui, foi retratada num equilíbrio entre traços minimalistas e elementos rústicos típicos dos povos indígenas. Mulher guerreira que merece ver sua história reverberada”, afirmou a ganhadora. Além do prêmio de R$ 7.000,00, Jéssica terá sua linha numerada e produzida para ser comercializada no e-commerce da Oxford.

Em segundo lugar, foi eleito o conjunto “Os Rios de Minha Aldeia”, de Priscilla Maciel dos Santos, de Belém, Pará. “O olhar é para o folclore amazônico. O folclore com vínculo na as águas. Iara, cobra grande, vitória régia, boto. A escolha do preto e branco busca o contraste entre o sombrio e o sublime. O olhar do índio em destaque é para nos lembrar da raiz de onde grande parte dessas lendas surgiram”, explicou a participante, que investiu em formas curvilíneas para compor suas peças.

De Vitória, Espírito Santo, o Renato Firmino de Oliveira conquistou o terceiro lugar com a arte “Folclore Imaginário”, que deu vida às peças coloridas e alegres. “Após pesquisar sobre o folclore, percebi que apesar de suas variações, há correspondência nas manifestações culturais de diferentes povos. Pensei no folclore a partir de um imaginário comum, constituído através da sobreposição das tradições e recombinei referências para criar as ilustrações”, comentou.

A competição foi realizada inteiramente pela internet e os projetos inscritos passaram por uma votação em três etapas: votação popular, onde foram escolhidas os 30 mais votados; depois, as demais foram avaliadas pelos três vencedores das últimas edições, que definiram mais 20 artes; e, por último, os 50 finalistas foram julgados pelos renomados designers Zanini de ZanineMarcelo Rosenbaum e a diretora de redação da Revista Casa Vogue, Taissa Buescu.

 

Fundada há 65 anos em São Bento do Sul (SC), a Oxford é a maior fabricante de porcelanas e cerâmicas de mesa das Américas. Em 2015 lançou o concurso nacional, com a participação de Adriana Barra, Ana Strumpf e Maurício Arruda no júri. O ganhador foi Raphaell Valença, designer sergipano que inspirou sua produção na tradicional festa dos Lambe-sujos e Caboclinhos, realizada anualmente no município histórico de Laranjeiras e que remonta ao período do Brasil Colônia.

Na segunda edição, realizada em 2016, teve como jurados a designer gráfica Joana Lira, a estilista Isabella Giobbi e os designers Paulo e Carol da Fetiche Design e do canal Tente Isso em Casa. O projeto ganhador foi o “Manifesto Natural”, da designer catarinense Beatriz Coppola, inspirado em elementos do mármore, madeira, concreto e ouro.

Já a terceira edição, realizada em 2017, o júri foi formado pela dupla de designers Rodrigo Brenner e Maurício Noronha, da Furf Design Studio; o chef Rodrigo Oliveira, do restaurante Mocotó; e a influencer Lucila Turqueto, do site Casa de Valentina. E a ganhadora foi a Juliana Lisboa Santana, com o projeto “Seja onde for, a comida nos une”.

 

 

X
X