Notícias

Muralista Eduardo Kobra estreia em Porto Alegre com homenagem a Mário Quintana

Por fevereiro 3, 2019 Sem comentários

A primeira intervenção do artista Eduardo Kobra em Porto Alegre é uma gentileza urbana do Colégio Farroupilha, tradicional instituição de ensino da capital gaúcha. Uma das fachadas do novo prédio da escola exibe o mural ‘Eu passarinho’, de 196 metros quadrados, em homenagem ao poeta gaúcho Mário Quintana.

A obra foi realizada a partir de fotografia tirada e cedida por Adolfo Gerchmann e autorizada para uso pela família do poeta, representada por Elena Quintana (sobrinha-neta).

Esta é a primeira intervenção do artista paulista Eduardo Kobra em Porto Alegre. De coloridos grafites, ele especializou-se na criação de murais de grandes dimensões nos últimos dez anos. E, desde então, vem transformando o cenário urbano em diversas cidades do país e, principalmente, no exterior.

Suas obras de street art podem ser vistas nas fachadas de prédios de mais de 30 países, mas é nos Estados Unidos onde estão a maioria dos murais assinados por Kobra. Em 2018, ele foi eleito uma das personalidades do ano de Nova Iorque, na pesquisa realizada pela revista Time Out.

Arquitetura eficiente

O novo prédio do Colégio Farroupilha será inaugurado no dia 18 de fevereiro, dia da volta às aulas na instituição. A edificação tem mais de 3 mil metros quadrados e quatro pavimentos. Foram previstas salas de aula, pátio, áreas de convivência, salas para as atividades extracurriculares, bem como espaço multi-atividades, com o propósito de possibilitar diferentes configurações. O projeto é assinado pela equipe de arquitetura do Colégio Farroupilha e pela Santini & Rocha Arquitetos.

A estrutura conta com uma série de soluções focadas na sustentabilidade, como cobertura com telhado verde, com o intuito de melhorar o conforto térmico da edificação. As salas foram devidamente projetadas com ventilação cruzada. Portanto, mais conforto térmico e menor uso de condicionadores de ar. A climatização é realizada com sistema de ar condicionado central VRF, porque este modelo proporciona economia de cerca de 30% no consumo de energia.

As esquadrias são de PVC e vidro duplo. Dessa forma, obtém-se conforto térmico e acústico. A iluminação é 100% em LED e as paredes internas são móveis, permitindo mudanças nos formatos das salas. Também há um reservatório de reaproveitamento de água da chuva, que será utilizada para regar os jardins da instituição.

Ficha técnica:

Data do início do projeto: 2015

Data da conclusão da obra: 2019

Área construída: 3.503,06 m2

Arquitetura: Arquiteta Samantha Diefenbach (autor); Arquiteta Marina Meyer e Arquiteto Christiano Pandolfo (equipe).

Projeto Executivo de Arquitetura: Santini & Rocha Arquitetos

Projeto de Arquitetura de Interiores: Arquiteta Samantha Diefenbach e Arquiteta Marina Meyer.

Gerenciamento e compatibilização de projetos complementares: Santini & Rocha Arquitetos

Estrutura: Preconcretos

Elétrica, lógica e SPDA: Filippon Engenharia Instalações Hidrossanitárias e PPCI: Lorenci Oliveira Engenharia

Ar condicionado: SR Refrigeração

Fundação: Serki Fundações Ltda

Coordenação de projeto e execução: Arquiteto Christiano Pandolfo

Paisagismo: Susana Nedel Arquitetura Ltda

Incorporação: Efenge

Sinalização: StudioMDA

Projeto Legal: ZWei arquitetura

Pintura Mural: Eduardo Kobra

Coordenação de Artes: Arquiteta Samantha Diefenbach

 

 

error: Para compartilhar esse conteúdo, use o link ou as ferramentas de compartilhamento do site da revista ÁREA e contribua para a valorização do jornalismo especializado.
X
X