fbpx
Notícias

Designer gaúcho cria murais que levam a natureza em forma de arte para dentro das casas

Por janeiro 17, 2021 Sem comentários

Cerejeiras, figueiras, araucárias, plátanos, dente-de-leão. Essas são algumas das espécies que o designer gaúcho Renan Gradaschi tem levado para dentro das casas de seus clientes por meio de seus murais artísticos. Sua arte estampa paredes internas e também externas de espaços residenciais e comerciais de diversas cidades, sempre tendo os elementos da natureza como tema.

Esse trabalho é desenvolvido em parceria com a esposa, a fotógrafa e turismóloga paulista Melissa Loretto, com quem comanda a Apé Arte. Pela empresa, a dupla também produz quadros, estampas para camisetas e ilustrações em geral.  “A natureza nos inspira porque natureza somos. Buscamos levar um pouco dela através da arte compondo ambientes internos e externos, espalhando sementes por aí”, explica Melissa. E completa: “A arte não é apenas encontrar uma ideia nas nuvens. É o oposto: trazer algo para o chão, para a parede, para o teto”. Para um projeto das arquitetas Priscila Pinheiro e Liége Pinheiro, da Ideal Arquitetura, de Balneário Camboriú (SC), por exemplo, um plátano foi criado por Renan para servir de base a uma árvore genealógica da família.

Como novidade, o casal está buscando novos trabalhos com a possibilidade de incluir no processo uma tinta que traz um efeito fotocatalítico, purificando o ar. “Soubemos dessa possibilidade através de uma ação do artista Rimon Guimarães com a Converse e estamos em busca de projeto que nos permita trazer esse diferencial às obras, o que faria mais significado ainda”, afirma Renan.

 

Cirque du Soleil e alma nômade

A arte expressa a leveza de visão de mundo do casal, que tem levado uma vida nômade, como dizem, desde que se conheceram, em 2015, durante uma viagem de estudos, num Ashram em Rishikesh, na Índia. Ambos são praticantes de yoga há mais de dez anos. Melissa, inclusive, é instrutora da prática.

Montanhista e escalador de rochas, Renan trabalhava no Cirque du Soleil desde 2012 como rigger – realizando operação/manuseio de equipamentos acrobáticos em altura durante o show, treinos, além de montagem e desmontagem da estrutura do circo. Juntos, eles viajaram pelo mundo com o circo, inclusive após o nascimento do filho, Joaquim, hoje com quatro anos. Em março de 2020, a família estava morando na Espanha, e teve de voltar ao Brasil em função da rescisão do contrato dos funcionários pelo Cirque du Soleil. O circo precisou planejar uma reestruturação devido à necessidade de paralisação das produções em decorrência da pandemia de coronavírus.

Desde que voltou para o Brasil, o casal já passou por Balneário Camboriú (SC), Bombinhas (SC), Soledade (RS) e Boqueirão do Leão (RS). Os planos atuais são seguir para o interior de São Paulo até fevereiro. Esse estilo de vida mutante, simples e leve, é a própria expressão da empresa, criada logo após o nascimento do filho. Apé significa caminho em tupi-guarani. “A Apé tem um conceito nômade. Onde estivermos ela vai com a gente”, diz Renan. Para eles, não há destino, a vida é o caminho.

 

Fotos: Divulgação Apé Arte 

 

X
X